fbpx

Saiba porque a reabilitação é fundamental no tratamento da doença de Parkinson

Recomendamos a leitura prévia dos artigos Doença de Parkinson: Diagnóstico e Tudo o que precisa saber sobre os tratamentos para a doença de Parkinson.

Não existem actualmente medicamentos que curem ou previnam a progressão da doença de Parkinson. Por esta razão, o trabalho de reabilitação desempenha um papel fundamental na recuperação da qualidade de vida do paciente.

Movilidad-ejercicio-caminar-parkinson.jpg

No artigo de hoje, falaremos sobre a importância da reabilitação como tratamento para a doença de Parkinson e as diferentes valências que intervêm no processo.

Reabilitação: Fundamental no tratamento da doença de Parkinson

O tratamento farmacológico, embora muito eficaz, não garante permanentemente um controlo satisfatório dos sintomas nas fases avançadas da doença de Parkinson.

À medida que a doença evolui, aspectos como a marcha, a estabilidade postural, a comunicação e deglutição, entre outros, começam a tornar-se mais complicados, mesmo com o tratamento farmacológico, levando a uma perda de autonomia.

Por esta razão, a reabilitação é uma aliada estratégica no tratamento de fases complicadas e/ou avançadas da doença de Parkinson. Para que seja eficaz, a reabilitação deve ser realizada de forma activa, contínua, com objectivos bem definidos e focada nos problemas e necessidades do paciente.

Quais as áreas que beneficiam da reabilitação?

A reabilitação deve ser um processo integral que intervém em diferentes aspectos prejudicados pela doença de Parkinson.

Fisioterapia: ajuda a recuperar a mobilidade, o equilíbrio e a capacidade de se movimentar de forma autónoma.

Terapia ocupacional: melhora a coordenação manual, a escrita e o manuseio de objectos, permitindo desenvolver mais autonomia nas actividades da vida diária.

Terapia da fala: melhora as capacidades de comunicação e evita desnutrição e broncoaspiração devido às dificuldades de deglutição.

Neuropsicologia: combate o declínio cognitivo, restaurando ou mantendo (dependendo da fase da doença) as capacidades cognitivas.

Psicologia clínica: ajuda a reduzir o impacto emocional e comportamental da cronicidade da doença e da dependência gerada.

No próximo artigo falaremos sobre os diferentes exercícios e treinos das valências que mencionámos acima e que fazem parte da intervenção na reabilitação da doença de Parkinson.

Sobre o Autor

A NeuroVida é uma instituição médica de neurologia e neurociências, pioneira em Portugal, que presta atenção integrada e interdisciplinar de cuidados a doentes do foro neurológico e neuropsiquiátrico. 

A clínica conta com uma equipa de especialistas em diversas áreas interdisciplinares liderada pelo Dr. Lázaro Álvarez, neurologista e neurocientista com mais de 30 anos de experiência.

Se quiser saber mais sobre a clínica ou a sua equipa médica, recomendamos-lhe que visite o nosso site oficial.

Ver mais: parkinson