fbpx

Estimulação Magnética Transcraniana em condições psiquiátricas: Pode ser benéfica?

A Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) é uma técnica não-invasiva, realizada com recurso a um dispositivo colocado sobre a cabeça, o qual emite impulsos electromagnéticos (semelhantes aos da Ressonância Magnética) para estimular ou inibir células nervosas de áreas do cérebro relacionadas com o que se pretende tratar.

A EMT é uma técnica segura, contudo, só deve ser administrada em quadros clínicos para os quais haja evidência científica da sua eficácia, e só deve ser considerada como uma opção terapêutica após uma avaliação psiquiátrica rigorosa.

Até à presente data, de acordo com o nível de evidência da eficácia e recomendação científica, a EMT está indicada para:

Depressão

Com base nos estudos realizados até ao momento, os quais envolveram controlo de efeito placebo (através de estimulação simulada), foi demonstrado que a EMT é eficaz no tratamento da depressão, com magnitude de resposta na ordem dos 50-55%. Este tratamento é aprovado pela FDA (US Food and Drug Administration), e está recomendado em várias directrizes de prática clínica.

Esquizofrenia

Têm sido realizados diversos estudos para determinar a eficácia da EMT no tratamento de sintomas da esquizofrenia, sendo que, até ao momento, a EMT tem demonstrado ser benéfica na redução da gravidade e/ou frequência de alucinações auditivas. Outros estudos sugerem benefícios sobre os sintomas negativos e o défice cognitivo.

Perturbação Obsessivo-Compulsiva

São vários os estudos, incluindo meta-análises recentes, que apontam a EMT como uma alternativa viável para reduzir os sintomas da perturbação obsessivo-compulsiva (POC), melhorar a capacidade funcional e o humor, e reduzir a ansiedade. A EMT no tratamento da POC também está aprovada pela FDA.

Ansiedade e Pós-Stress Traumático

Foram documentados benefícios clínicos na redução da gravidade dos sintomas de perturbações de ansiedade, através da estimulação excitatória do córtex pré-frontal esquerdo e a estimulação inibitória do córtex pré-frontal direito. Em particular sobre a perturbação de pós-stress traumático e ansiedade generalizada.

Dependência de Substâncias e Perturbações Alimentares

As evidências terapêuticas preliminares são favoráveis no tratamento das dependências e das perturbações alimentares. No entanto, até ao momento ainda não há investigações de larga escala concluídas, a fim de ser possível estabelecer o nível de eficácia.

Ver mais sobre: ansiedade, dependências, Depressão, esquizofrenia, Estimulação cerebral não-invasiva, Estimulação Magnética Transcraniana, poc

A Estimulação Magnética Transcraniana é segura? Os investigadores comprovam

Desde há 3 décadas que a Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) tem vindo a ser utilizada na práctica clínica, pelo que têm sido realizados imensos estudos com vista a avaliar a segurança deste método, sendo que até ao momento considera-se como risco mais grave o seu potencial para causar uma convulsão. Em 1998 foram estabelecidas as primeiras normas de segurança para a EMT repetitiva (pulsos magnéticos administrados em trens consecutivos) e, em 2009 voltaram a publicar-se as recomendações para um uso seguro da EMT repetitiva, sendo estimado um risco de convulsão

Continuar a Ler »

Modulação da rede cerebral através da estimulação cerebral não-invasiva e neurofeedback em casos de AVC: Principais Benefícios – Parte 2

No artigo de ontem falámos de dois inovadores métodos de neuro-reabilitação: a estimulação cerebral não-invasiva e o neurofeedback, nomeadamente na intervenção sobre o comprometimento motor. Hoje iremos abordar a intervenção no défice cognitivo e na dor. Intervenção no Défice Cognitivo 70% dos pacientes com AVC têm algum grau de comprometimento cognitivo que permanece a longo-prazo. Até à data, tem sido reportado um efeito benéfico da estimulação cerebral não-invasiva em diferentes domínios cognitivos, tais como a memória, a atenção, e as funções executivas. Intervenção na Dor pós-AVC A dor central pós-AVC

Continuar a Ler »