Campos eléctricos no tratamento do cancro: Uma inovadora terapia para o tumor cerebral

Os 3 tipos mais comuns de tumor cerebral são as metástases intracranianas, que se espalham através de outras fontes primárias da doença; os meningiomas, que na sua maioria são benignos; e o glioblastoma multiforme (GBM) – o tumor cerebral mais comum e letal em adultos. As opções comummente utilizadas no tratamento do GBM são a ressecção cirúrgica do tumor ou de parte dele, a quimioterapia e a radioterapia.

Inovação: Tumor Treating Fields

Um Professor universitário do Instituto Israelita de Tecnologia (Technion), chamado Yoram Palti, colocou a hipótese de que campos eléctricos pudessem interromper a divisão celular do tumor e causar a morte das células cancerígenas. Após testar, verificou que não só se confirmava a destruição das células cancerígenas, como se verificava a preservação das células saudáveis.

A este método foi dado o nome de Tumor Treating Fields (TTF / Campos de Tratamento de Tumores). Consiste na aplicação de eléctrodos na superfície do couro cabeludo, que emitem impulsos eléctricos de baixa intensidade.


Em 2004 foi iniciado o primeiro ensaio clínico com 20 participantes com GBM recorrente ou recém diagnosticado, que demonstrou a viabilidade de tratar o tumor cerebral com TTF. Actualmente, 4 destes participantes ainda estão vivos. Ensaios clínicos subsequentes validaram a eficácia e segurança dos TTF para tratar o GBM recorrente, levando a que, em 2011, a FDA (US Food and Drug Administration) aprovasse a utilização deste método.

Eficácia e efeitos secundários

Estudos recentes têm permitido aprofundar o conhecimento relativo à combinação dos TTF com outras terapêuticas, levando a um aumento das taxas de sobrevivência e à afirmação desta modalidade de tratamento como uma opção com benefícios clínicos comprovados, e que não causa dor, náusea, fadiga ou diarreia – efeitos secundários habituais da quimioterapia e radioterapia.