Bulimia e compulsão alimentar: conheça os benefícios da estimulação cerebral não-invasiva

A Bulimia nervosa é um dos distúrbios alimentares mais recorrentes, caracterizado por episódios de ingestão exagerada de comida, seguido de um comportamento purgativo (indução do vómito, uso de laxantes ou diuréticos, ou prática de exercício físico excessivo).

No vídeo abaixo pode saber mais sobre as causas, os sintomas, os riscos associados e os tratamentos mais comuns para este problema:

Programa terapêutico para intervir na Bulimia:

Na Clínica NeuroVida desenvolvemos um programa para tratar a Bulimia que, além do apoio Médico ao nível da nutrição, controlo de peso, e humor, e do apoio da psicoterapia cognitivo-comportamental, inclui também métodos de estimulação cerebral não invasiva.

Os sintomas da Bulimia estão tipicamente associados a uma preocupação intensa com o peso corporal ou a aparência, contudo, com o passar do tempo, os comportamentos tornam-se compulsivos e semelhantes aos de uma adição.

Recorrendo a tecnlogias baseadas na neurociência, os investigadores têm sugerido que as bases neuronais subjacentes à Bulimia podem estar relacionadas com problemas no auto-controlo e no sistema de recompensa, tal como nas adições.

Também o craving (ou o “desejo de consumir”) é uma característica da Bulimia. A disfunção do córtex pré-frontal dorsolateral está associada ao craving e tem sido tratada em programas de reabilitação de adições, pelo que os investigadores começaram a estudar se a estimulação do córtex pré-frontal dorsolateral reduz igualmente o desejo de comer em pessoas com Bulimia.

Num artigo publicado em Maio deste ano (2018), na revista científica Appetite, foram analisados vários estudos sobre os efeitos da estimulação cerebral não invasiva no desejo de comer, consumos de comida e perturbações alimentares.

Os autores concluíram que existem resultados consistentes que apontam para uma redução no desejo de comer e que, ainda que preliminares, também existem resultados promissores em relação à Bulimia nervosa e outros distúrbios de compulsão alimentar.

Noutros estudos, como o de King’s College London, são também demonstrados benefícios tais como: diminuição da preocupação com o peso, aumento da auto-estima, aumento do auto-controlo, e uma capacidade de decisão mais prudente e orientada para os benefícios a longo-prazo ao invés da gratificação imediata.

Desta forma, o tratamento multidisciplinar, recorrendo a técnicas de estimulação cerebral não invasiva, parece ser benéfico para casos de Bulimia, actuando em diversos sintomas-chave. Para mais informações sobre o nosso programa, contacte: [email protected]